O que você precisa saber sobre Open Innovation?

Open Innovation

Você já ouviu falar sobre o conceito Open Innovation?

Em meio à tristeza e incerteza do mercado neste momento de crise de COVID-19, algo surpreendente começou a acontecer: as empresas começaram a se unir para trabalhar abertamente em um nível sem precedentes, colocando a capacidade de criar valor antes da oportunidade de ganhar dinheiro.

Muitas delas motivadas pelo movimento de recuperação de dispositivos médicos como os respiradores, tão necessários neste momento, tivemos muitos exemplos de empresas que trouxeram à pauta este conceito, como Siemens, Scania, Ford e 3M.

A colaboração pode, obviamente, salvar vidas humanas, mas também pode produzir enormes benefícios para as empresas – embora muitas vezes seja esquecida em circunstâncias normais.

Porém em muitas empresas, esse tipo de forma distribuída, descentralizada e participativa de inovar continua sendo uma ambição que ainda não se tornou realidade.

Inovação aberta, em tradução livre, tem o potencial de ampliar o espaço para criação de valor: ela permite muitas outras maneiras de criar valor, seja por meio de novos parceiros com habilidades complementares ou desbloqueando o potencial oculto em relacionamentos duradouros.

Em uma crise, a inovação aberta pode ajudar as organizações a encontrar novas maneiras de resolver problemas urgentes e, ao mesmo tempo, construir uma reputação positiva. Mais importante ainda, pode servir como base para colaboração futura – em linha com a pesquisa sociológica que demonstra que a confiança se desenvolve quando os parceiros voluntariamente vão além, oferecendo favores inesperados uns aos outros.

Embora as preocupações com propriedade intelectual, retorno sobre investimentos e várias consequências imprevistas da inovação aberta sejam todas válidas, o que estamos vivenciando agora é uma oportunidade de inovar durante e além da crise.

Descobrimos uma série de lições que podem ajudar as empresas não apenas a aproveitar as vantagens da inovação aberta durante a crise da Covid-19, mas a abraçar a inovação aberta quando a pandemia passar. Veja como as empresas podem superar alguns desafios bem conhecidos em inovação aberta:

Esqueça o IP por enquanto

Pesquisas anteriores descobriram que muitas empresas estão extremamente preocupadas com o “vazamento” de valor de colaborações com terceiros.

Como resultado, eles geralmente se limitam ao básico e colaboram em algumas tarefas periféricas, mas não nas questões de negócios mais importantes.

Essas preocupações com a propriedade intelectual são evidentemente reais e importantes, mas correm o risco de impedir que qualquer iniciativa de inovação aberta ganhe impulso. No entanto, durante a crise da Covid-19, pode ser sensato focar mais na criação de valor do que na captura de valor.

 

Empresas inteligentes dão um salto de fé, colaborando em coisas importantes, sem correr o risco de exposição negativa. Por exemplo, se a ​​Scania – uma empresa conhecida por seu sistema de manufatura de classe mundial – enviar alguns de seus melhores especialistas em manufatura meia hora para trabalhar na Getinge, sediada em Estocolmo, para aumentar sua produção de ventiladores, não arrisca nenhum de seus ativos tecnológicos essenciais, mas ao contribuir para o esforço de construir capacidade médica e combater o vírus, espero que esteja acelerando a rapidez com que sua própria fábrica estará de volta ao normal.

Aproveite a motivação bilateral

Conforme o entusiasmo inicial da inovação aberta se instalou, as empresas muitas vezes percebem que contam com a participação voluntária e ativa de funcionários e parceiros para ter sucesso – os meios tradicionais de comando e controle têm pouco alcance. Em vez disso, as empresas precisam contar com uma combinação de incentivos hard e soft para motivar os colaboradores internos e externos. As empresas precisam identificar – e responder à – verdadeira motivação de seus parceiros.

Alguns desenvolvedores são motivados a compartilhar livremente por causa da sinalização do mercado de trabalho. Outros desenvolvedores são movidos por fortes preocupações éticas, opondo-se vigorosamente a qualquer movimento para desenvolver software que não possa ser inspecionado, modificado e compartilhado abertamente. E algumas empresas são motivadas a doar tempo e recursos porque é um meio eficaz de acessar habilidades e ativos complementares.

Embora isso possa ser fácil nos estágios iniciais de uma colaboração que está respondendo à pandemia, as empresas não devem esperar que a colaboração além da pandemia seja tão tranquila. Em vez disso, vale a pena colocar o trabalho com antecedência para descobrir – e potencialmente cutucar – a motivação dos parceiros.

Abrace novos parceiros

Um desafio comum na inovação aberta é conquistar novos parceiros.

Novos parceiros sempre implicam custos em termos de busca, validação e conformidade, bem como a formação de novas relações sociais entre as pessoas. E sabemos que, quando se trata de grandes problemas como a Covid-19, novos parceiros são necessários para fornecer habilidades e perspectivas complementares.

A enorme escala da crise da Covid-19 pode ter aliviado esses desafios de pelo menos duas maneiras. Primeiro, a alta administração assumiu muitos dos riscos associados a novos parceiros, enviando mensagens fortes de que a inovação aberta é o caminho a percorrer. Por exemplo, Jim Hackett, presidente e CEO da Ford, diz que capacitou seus engenheiros e designers a serem “desconexos e criativos” ao colaborar com a GE Healthcare para encontrar soluções para a crise.

Em segundo lugar, não apenas a propagação do vírus cresceu exponencialmente, mas também o conjunto de parceiros em potencial. Quando empresas em todo o mundo são afetadas pela mesma crise e muitas estão em busca de novas maneiras de conduzir os negócios, um exercício combinatório sugere que existem muito mais parceiros disponíveis agora do que há um mês.

Preservar parte dessa atitude de mente aberta em relação a novos parceiros após a crise pode ajudar as empresas a se manterem no topo da inovação.

Urgência leva à transformação

Os passos iniciais para a inovação aberta em “tempos normais” são relativamente simples. Por exemplo, contrate alguns consultores, organize um torneio de inovação, espere que as ideias cheguem.

Os resultados, entretanto, costumam ser bastante escassos. Para colher totalmente os frutos da inovação aberta, as empresas precisam reconhecer o desafio transformacional à frente. Essas iniciativas costumam ser a ponta do iceberg, e a inovação aberta bem-sucedida geralmente requer mudanças operacionais e estruturais na forma como os negócios são feitos. Essas mudanças são difíceis para qualquer funcionário, equipe ou mesmo unidade de negócios realizar.

Em tempos de crise, o foco executivo necessário surge repentinamente. Empresas inteligentes aproveitam esta oportunidade para repensar sua infraestrutura de inovação.

Um bom exemplo disso é o setor de educação, onde muitos foram informados de que as aulas a partir do dia seguinte deveriam ser substituídas por alternativas digitais. Muito foi deixado para os professores descobrirem, mas os presidentes das universidades enviaram mensagens tranquilizadoras, endossando a experimentação e eliminando os obstáculos burocráticos.

Nos últimos meses, acadêmicos de todo o mundo têm colaborado, compartilhando dicas, truques, planos de ensino e experiências para transformar um colosso, muitas vezes lento, em um velocista digital ágil. Isso mostra que muitas vezes a maior barreira para o sucesso da inovação aberta é simplesmente a reticência em se comprometer com ela.

Esses são desenvolvimentos promissores. Mas até que ponto essas observações serão verdadeiras no futuro? Como os negócios um dia voltarão ao normal, quantas das formas alteradas de inovação ficarão dentro das empresas? E como nós, como sociedade, enfrentaremos outros grandes desafios, como o aquecimento global, que não estão mais aparecendo no horizonte, mas já estão aqui?

Esperamos que a resposta do mundo ao novo coronavírus tenha ensinado que uma experiência verdadeiramente compartilhada de um inimigo comum pode revelar a velocidade, a força e a criatividade necessárias para enfrentar até os maiores desafios.

Não desperdice essas experiências planejando como voltar ao velho normal. Planeje um novo normal.

 

Deixe seu comentário :)

FALE CONOSCO

Mapa Do Site

Receba as melhores dicas

Todos os direitos reservados. Feito por Agência Novo Foco